31 dezembro 2017

jorge de sena / súplica final




Senhor: não peço mais que silêncio,
o silêncio das noites de planície como enevoadas águas,
o silêncio dos montes quando a tarde acabou e as pedras
se afiam na friagem que é azul-celeste,
o silêncio do sol encarquilhando as folhas,
e o vento na areia depois de ter passado,
o silêncio das ondas ao longe espumejando tranquilas,
o silêncio das mãos e o dos olhos,
e o das aves negras que pairam nas alturas
de um céu silencioso e límpido. Não peço
mais que silêncio. O silêncio das ideias que deslizam
no tecto escorregadio da memória silente.
E o silêncio dos sonhos coloridos, e o dos outros
a preto e branco imagens desejadas
que não pensei que desejava e esqueço
ao querer lembrá-las. E o silêncio
dos sexos que se possuem sem uma palavra.
E o do amor também, tão silencioso esse,
que não sei quem amo.

Não peço mais. Afasta
de mim o estrondo: não o das cidades,
ou dos homens, das águas, do que estala
na memória ou penumbra das salas desertas.
Afasta de mim o estrondo com que a vida
se acabará contigo, num rasgar de súbito
em que ficarei inerte e silencioso. O estrondo
em que não ouvirei mais nada. O estrondo
em que não mexerei um dedo. O estrondo
em que serei desfeito. O estrondo
em que de olhos abertos
alguém mos abrirá.

Senhor: não peço mais do que o silêncio do mundo,
o silêncio dos astros, o silêncio das coisas
que outros homens fizeram, e o das coisas
que eu próprio fiz. E o teu silêncio
de senhor que foi. Não peço mais.
Não é nada o que peço. Dá-me
o silêncio. Dá-me o que não fui:
silêncio (porque calei tanto):
o que não sou (pois que calo tanto):
o que hei- de ser (já que falar não adianta):
Silêncio.
Senhor: não peço mais.

1961


jorge de sena
peregrinato ad loca infecta (1969)
trinta anos de poesia
editorial inova
1972





30 dezembro 2017

bertolt brecht / algumas perguntas a um «homem bom»




Bom, mas para quê?
Sim, não és venal, mas o ralo
Que sobre a casa cai também
Não é venal.
Nunca renegas o que disseste.
Mas, o que disseste?
És de boa fé, dás a tua opinião.
Que opinião?


Tens coragem.
Contra quem?
És cheio de sabedoria.
Para quem?
Não olhas aos teus interesses.
Aos de quem olhas?
És um bom amigo.
Sê-lo-ás do bom povo?


Escuta pois: nós sabemos
Que és nosso inimigo. Por isso vamos
Encostar-te a paredão. Mas em consideração
Dos teus méritos e das tuas boas qualidades
Escolhemos um bom paredão e vamos fuzilar-te com
Boas balas atiradas por bons fuzis e enterrar-te com
Uma boa pá debaixo da terra boa.


bertolt brecht
poemas
selecção e trad. de arnaldo saraiva
presença
1976





29 dezembro 2017

valter hugo mãe / saí em êxtase para a



saí em êxtase para a
rua, estava o horizonte
vertical a entornar-me os
olhos para a lua

de que adianta ser pássaro
se não tiro os olhos do chão?



valter hugo mãe
três minutos antes de a maré encher
quasi
2000









28 dezembro 2017

ana hatherly / o coração é como um fruto



O coração é como um fruto
cresce
amadurece
mas não cai:
Se alguém o quiser
não morre



ana hatherly
fibrilações
quimera
2005










27 dezembro 2017

leonor castro nunes e marcos foz / a bifurcação dos ossos



12.

Sou vadio demais para pertencer à glória histórica,
mas conheço de cor o cheiro do sal
e nos meus pulmões nasceu uma flor vinda do pó
demasiado frágil para aguentar os labirintos subterrâneos
que desenhei.



leonor castro nunes
marcos foz
a bifurcação dos ossos
do lado esquerdo
2016









26 dezembro 2017

rené char / calendário




Juntei as minhas convicções umas às outras e dilatei a tua Presença. Outorguei aos meus dias um novo curso, sustentando-os nessa força imensa. Expulsei a violência que me limitava o ascendente. Agarrei sem ruído o pulso do equinócio. O oráculo deixou de avassalar-me.   Penetro: sinto-me ou não em estado de graça.

A ameaça é agora mais polida. A praia que todos os Invernos ficava atravancada de lendas regressivas, de sibilas com os braços pesados de ortigas, apresta-se agora ao socorro das criaturas. Sei que a consciência que se arrisca nada tem que temer da plaina.


         
rené char
furor e mistério
sós permanecem (1938-1944)
trad. margarida vale de gato
relógio d’ água
2000






25 dezembro 2017

wislawa szymborska / agradecimento



Devo imenso
aos que não amo.

O alívio com que aceito
eles estarem mais próximos de outras pessoas.

A alegria de não ser eu
o lobo dos seus cordeiros.

A minha paz com eles,
com eles a minha liberdade,
e isto não o pode dar o amor
nem o consegue tirar.

Não espero por eles
entre porta e janela.
Quase tão calma
como um relógio de sol,
entendo
o que o amor não entende,
desculpo
o que o amor jamais desculparia.

Entre carta e encontro
não passa a eternidade,
mas simplesmente uns dias ou semanas.

As viagens com eles são conseguidas,
os concertos escutados,
as catedrais visitadas,
as paisagens nítidas.

E quando nos separam
sete rios e montanhas,
são rios e montanhas
bem conhecidos dos mapas.

É mérito deles
que eu viva em três dimensões,
num espaço não lírico e não retórico
com um horizonte real porque movente.

Eles próprios ignoram
quanto trazem nas mãos vazias.

«Nada lhes devo» -
diria o amor
a este tema aberto.




wislawa szymborska
paisagem com grão de areia
trad. júlio sousa gomes
relógio d’água
1998






24 dezembro 2017

alberto caeiro / ontem à tarde um homem das cidades



XXXII

Ontem à tarde um homem das cidades
Falava à porta da estalagem.
Falava comigo também.
Falava da justiça e da luta para haver justiça
E dos operários que sofrem,
E do trabalho constante, e dos que têm fome,
E dos ricos, que só têm costas para isso.


E, olhando para mim, viu-me lágrimas nos olhos
E sorriu com agrado, julgando que eu sentia
O ódio que ele sentia, e a compaixão
Que ele dizia que sentia.


(Mas eu mal o estava ouvindo.
Que me importam a mim os homens
E o que sofrem ou supõem que sofrem?
Sejam como eu—não sofrerão.
Todo o mal do mundo vem de nos importarmos uns com os outros,
Quer para fazer bem, quer para fazer mal.
A nossa alma e o céu e a terra bastam-nos.
Querer mais é perder isto, e ser infeliz.)


Eu no que estava pensando
Quando o amigo d gente falava
(E isso me comoveu até às lágrimas),
Era em como o murmúrio longínquo dos chocalhos
A esse entardecer
Não parecia os sinos duma capela pequenina
A que fossem à missa as flores e os regatos
E as almas simples como a minha.


(Louvado seja Deus que não sou bom,
E tenho o egoísmo natural das flores
E dos rios que seguem o seu caminho
Preocupados sem o saber
Só com o florir e ir correndo.
É essa a única missão no Mundo,
Essa—existir claramente,
E saber fazê-lo sem pensar nisso.)


E o homem calara-se, olhando o poente.
Mas que tem com o poente quem odeia e ama?

s.d.



alberto caeiro
o guardador de rebanhos




23 dezembro 2017

miguel torga / mácula


Coimbra, 3 de Novembro de 1968


Manhã de luz doente
Como as folhas que a febre amarelece.
O céu, baixo, parece
Desprender-se do aro que o sustém.
Tristes, as coisas murcham nos sentidos
Deprimidos,
Outoniços, também…


miguel torga
diário X
1968







22 dezembro 2017

antónio franco alexandre / corto viaggio sentimentale, capriccio italiano



1

não havendo limite ao que podemos
imaginar, as bocas facilmente se tocam
e duas diferentes línguas se
respondem, con dolce violenza.
Que mais desejarias ter
numa outra vida: o meu talento,
o le mie gambe?



antónio franco alexandre
quatro caprichos
assírio & alvim
1999







21 dezembro 2017

rui costa /madrugada



podes querer e podes não querer.
podes fugir. ficar ou não ficar
assim. quieto. esse travo na boca
por dizer.     esse gozo secreto
das coisas a gemer lá para o fim




rui costa
à solta no ringue
mike tyson para principiantes
antologia poética
assírio & alvim
2017






20 dezembro 2017

peter porter / non piangere, liú




Um postal chega informando-te
que deves apresentar-te
para examinarem os teus olhos.

Mas os teus olhos derreteram no fogo,
e as lágrimas únicas, que depressa secaram,
caíram na capela.

Também outras coisas chegam –
facturas, renovações de assinatura,
cintilantes cartões de plástico prometendo crédito –
não muito para uma vida gasta
ao serviço da realidade.

Não tens de lhes responder.
Nem ao meu pedido de uma gota
de auxílio no meu próprio inferno.

Não chores, digo-me,
é tudo uma comédia
e as comédias têm um final feliz.

O fogo surgirá do sol
e eu olharei para o coração dele.



peter porter
trad. josé alberto oliveira
rosa do mundo
2001 poemas para o futuro
assírio & alvim
2001







19 dezembro 2017

nuno júdice / ofício nocturno



Nos campos onde a neve se estende,
o vento arrasta uma brancura de passos.

Troncos que foram verdes são
braços negros em gestos de pedinte.

Vagueiam almas num desejo de cume,
perdidas, de pensamento preso com a névoa.

Só não sabem a que noite pertencem
os pássaros brancos em busca de rio.

Mas a corrente dorme sob o gelo,
sonhando uma primavera de estuários.

É quando o vidro da janela não devolve
mais do que o próprio rosto de quem espreita;

reflexo que nem a treva aceita,
ocupada em trabalhos de linha e tear.



nuno júdice
a fonte da vida
quetzal
1997





18 dezembro 2017

saint-john perse / canção




     Com o meu cavalo parado sob a árvore coberta de rolas, lanço um assobio tão puro, que não há uma única promessa feita às margens destes rios que eles não cumpram. (Folhas vivas na manhã são à imagem da glória)…

*

     E não é que um homem não esteja triste, mas levantando-se antes do dia e mantendo-se com prudência no convívio de uma velha árvore, apoiado pelo queixo à ultima estrela, vê em jejum no fundo do céu grandes coisas puras que dispõem ao prazer…

*

     Com o meu cavalo parado sob a árvore que arrulha, lanço um assobio mais puro… E paz àqueles que, se vão morrer, não chegaram a ver este dia. Mas do meu irmão, o poeta, tivemos notícia. Voltou a escrever uma coisa muito doce. E alguns dela tiveram conhecimento.



saint-john perse
habitarei o meu nome
antologia
tradução de joão moita
assírio & alvim
2016






17 dezembro 2017

bernardo soares / máximas




Ter opiniões definidas e certas, instintos, paixões e carácter fixo e conhecido — tudo isto monta ao horror de tornar a nossa alma um facto, de a materializar e tornar exterior. Viver é um doce e fluido estado de desconhecimento das coisas e de si próprio (e o único modo de vida que a um sábio convém e aquece).

Saber interpor-se constantemente entre si próprio e as coisas é o mais alto grau de sabedoria e prudência.

A nossa personalidade deve ser indevassável, mesmo por nós próprios: daí o nosso dever de sonharmos sempre, e incluirmo-nos nos nossos sonhos, para que nos não seja possível ter opiniões a nosso respeito.

E especialmente devemos evitar a invasão da nossa personalidade pelos outros. Todo o interesse alheio por nós é uma indelicadeza ímpar. O que desloca a vulgar saudação — como está? — de ser uma indesculpável grosseria e o ser ela em geral absolutamente vã e insincera.
Amar é cansar-se de estar só: é uma cobardia portanto, e uma traição a nós próprios (importa soberanamente que não amemos).

Dar bons conselhos é insultar a faculdade de errar que Deus deu aos outros. E, de mais a mais, os actos alheios devem ter a vantagem de não serem também nossos. Apenas é compreensível que se peça conselhos aos outros — para saber bem, ao agir ao contrário, quem somos bem nós, bem em desacordo com a Outragem.

s.d.

fernando pessoa
livro do desassossego por bernardo soares. vol.II
ática
1982





16 dezembro 2017

herberto helder / elegia múltipla



III
Havia um homem que corria pelo orvalho dentro.
O orvalho da muita manhã.
Corria de noite, como no meio da alegria,
pelo orvalho parado da noite.
Luzia no orvalho. Levava uma flecha
pelo orvalho dentro, como se estivesse a ser caçado
loucamente
por um caçador de que nada sabia.
E era pelo orvalho dentro.
Brilhava.

Não havia animal que no seu pêlo brilhasse
assim na morte,
batendo nas ervas extasiadas por uma morte
tão bela.
Porque as ervas têm pálpebras abertas
sobre estas imagens tremendamente puras.
Pelo orvalho dentro.
De dia. De noite.
A sua cara batia nas candeias.
Batia nas coisas gerais da manhã.
Havia um homem que ia admiravelmente perseguido.
Tomava alegria no pensamento
do orvalho. Corria.

Ouvi dizer que os mortos respiram com luzes transformadas.
Que têm os olhos cegos como sangue.
Este corria assombrado.
Os mortos devem ser puros.
Ouvi dizer que respiram.
Correm pelo orvalho dentro, e depois
estendem-se. Ajudam os vivos.
São doces equivalências, luzes, ideias puras.
Vejo que a morte é como romper uma palavra e passar

- a morte é passar, como rompendo uma palavra,
através da porta,
para uma nova palavra. E vejo
o mesmo ritmo geral. Como morte e ressurreição
através das portas de outros corpos.
Como uma qualidade ardente de uma coisa para
outra coisa, como os dedos passam fogo
à criação inteira, e o pensamento
pára e escurece

- como no meio do orvalho o amor é total.
Havia um homem que ficou deitado
com uma flecha na fantasia.
A sua água era antiga. Estava
tão morto que vivia unicamente.
Dentro dele batiam as portas, e ele corria
pelas portas dentro, de dia, de noite.
Passava para todos os corpos.
Como em alegria, batia nos olhos das ervas
Que fixam estas coisa puras.
Renascia.



herberto helder
poesia toda
a colher na boca
assírio & alvim
1996