30 junho 2016

jorge melícias / à beira das salinas os homens declinam,



À beira das salinas os homens declinam,
as cabeças como cometas fulminantes.

De longe a longe vêm s filhos,
trazem a solidão como um metal aceso nas costas,
trazem um enxame de dardos.
E a memória é um pulso atravessado.

Quando partem fecham atrás de si as portas,
e os homens voltam a sentar-se sobre as estacas
e brilham.


jorge melícias
a luz nos pulmões
quasi
2000



29 junho 2016

josé luís peixoto / no tempo em que éramos felizes



no tempo em que éramos felizes não chovia.
levantávamo-nos  juntos, abraçados ao sol.
as manhãs eram um céu infinito. o nosso amor
era as manhãs. no tempo em que éramos felizes
o horizonte tocava-se com a ponta dos dedos.
as marés traziam o fim da tarde e não víamos
mais do que o olhar um do outro. brincávamos
e éramos crianças felizes. às vezes ainda
te espero como te esperava quando tu chegavas
com o uniforme lindo da tua inocência. há muito
tempo que te espero. há muito tempo que não vens.


josé luís peixoto
a criança em ruínas
quasi
2002



28 junho 2016

jorge reis-sá / as portas



Estão abertas, as portas. Aquela que segurava a casa
está demasiado exposta, tudo permite.
E os ratos do campo entram silentes por entre
as folhas que o último Outono imprimiu.

Escondem-se sobre o soalho,
trazem aos filhos as bolotas de uma árvore distante.

  

jorge reis-sá
vou para casa
quasi
2008




27 junho 2016

claudia roquette-pinto / em sarajevo



Na primeira foto ela ri,
selvagem,
e se mistura às amigas.
Um ano mais tarde,
posa com as mãos no colo,
coluna reta,
os pés cruzados pra trás.
Por dentro do uniforme pressente
uma mulher, a passos largos,
galgando as ruas de grandes cidades
– quem sabe, no exterior.
Quando a vi, ali, distraída,
na escada do ônibus escolar,
nada me preparou para as suas pernas abertas,
no meio a flor dilacerada
repetindo, entre as coxas,
o buraco da bala no peito:
um dois pontos insólito.


claudia roquette-pinto
relâmpago
revista de poesia nº. 14
abril de 2004



26 junho 2016

jean racine / fala de tito



Sei que só eu, por fim, me posso destruir;
mas pude já viver, deixar-me seduzir.
Meu coração nem qu´ria indagar no futuro
aquilo que pudesse, entre nós, ser um muro.
Agradava-me crer que nada era invencível:
sem nada examinar, eu esperava o impossível.
Ou esperava, talvez, perante vós morrer,
sem este adeus cruel haver de vos fazer.
De obstáculos até me incendiava outrora.
Que importavam razões? Mas a glória, Senhora,
inda eu a não ouvira, em meu foro interior,
no tom em que ela fala a um Imperador.
Conheço bem de mais tormentos que irei ter;
sinto bem que sem vós nem saberei viver.
Meu coração de mim começa a se afastar:
nem de viver se trata: apenas de reinar.

bérénice, acto IV, cena V



jean racine
vozes da poesia europeia II
traduções de david mourão-ferreira
colóquio letras nr. 164
fundação calouste gulbenkian
maio-agosto 2003



25 junho 2016

jorge luís borges / ausência



Eu haverei de erguer a vasta vida
que ainda é o teu espelho:
cada manhã hei-de reconstruí-la.
Desde que te afastaste,
quantos lugares se tornaram vãos
e sem sentido, iguais
a luzes acesas de dia.
Tardes que te abrigaram a imagem,
música em que sempre me esperavas,
palavras desse tempo,
terei de as destruir com as minhas mãos.
Em que ribanceira esconderei a alma
pra que não veja a tua ausência,
que como um sol terrível, sem ocaso,
brilha definitiva e sem piedade?
A tua ausência cerca-me
como a corda à garganta.
O mar ao que se afunda.


jorge luís borges
obra completas 1923-1949 vol. 1
fervor de buenos aires (1923)
trad. fernando pinto do amaral
editorial teorema
1998



24 junho 2016

jorge de sena / cidade






Imensa, troglodita, ambiciosa,
vai a cidade até à praia;
perdeu no campo as rochas cor-de-rosa,
e o mar, se a busca, evita-a, não desmaia,
antes se ergue negro contra o desconforto.

O rio leva casas debruçadas
que já, com o tempo, foi cavando em arcos
de perfil sem cl, inclinado e morto…
e leva também barcos.

No céu, as nuvens correm desviadas,
Enquanto o Sol, em dardos, sobre o mar se crava.


jorge de sena
daqui houve nome portugal
eugénio de andrade
editorial inova
1968


23 junho 2016

luís vaz de camões / lá na leal cidade …



Lá na leal cidade donde teve
Origem (como é fama) o nome eterno
De Portugal, armar madeiro leve
Manda o que tem o leme do governo.
Apercebem-se os doze, em tempo breve,
De armas e roupas de uso mais moderno,
De elmos, cimeiras, letras e primores,
Cavalos, e concertos de mil cores.

Já do seu Rei tomado têm licença,
Para partir do Douro celebrado,
Aqueles que escolhidos por sentença
Foram do Duque inglês experimentado.
Não há na companhia diferença
De cavaleiro, destro ou esforçado;
Mas um só, que Magriço se dizia,
Dest’arte fala à forte companhia:

Fortíssimos consórcios, eu desejo
Há muito já de andar terras estranhas,
Por ver mais águas que as do Douro e Tejo,
Várias gentes e leis e várias manhas.
Agora que aparelho certo vejo,
Pois que do mundo as cousas são tamanhas,
Quero, se me deixais, ir só por terra,
Porque eu serei convosco em Inglaterra.

E quando caso for que eu, impedido
Por Quem das cousas é última linha,
Não for convosco ao prazo instituído,
Pouca falta vos faz a falta minha:
Todos por mim fareis o que é devido.
Mas, se a verdade e o espírito me adivinha,
Rios, montes, Fortuna ou sua enveja
Não farão que eu convosco lá não seja.



luís vaz de camões
daqui houve nome portugal
eugénio de andrade
editorial inova
1968



22 junho 2016

pedro silva sena / call center



Sob o clarão fluorescente mergulhados em um fundo
Fechados como em uma caixa.

Filas de cadeiras em chamada
Ininterruptamente
Divisórias favos de saliva.

Pinças cravadas nas têmporas
Rigorosamente
Quinze minutos

Muito bom dia, o meu nome é

Uma voz

Muito boa tarde, o meu nome é

Um nome              repetido

Muito boa noite, o meu nome é

Um número

Fechadas como em uma caixa
As gaivotas dão no ecrã das janelas
O script azul sereno.


pedro silva sena
di Versos
poesia e tradução nr. 15
junho de 2009



21 junho 2016

angél gonzález / todos vocês parecem felizes…



… e sorriem, às vezes, quando falam.
E até dizem uns aos outros
palavras de amor. Mas
amam-se
de dois em dois
para
odiar de mil
em mil. E guardam
toneladas de asco
por cada
milímetro de felicidade.
E parecem – nada
mais que parecem – felizes,
e falam
com o fim de ocultar essa amargura
inevitável, e quantas
vezes não o conseguem, como
não posso ocultá-la
por mais tempo: esta
desesperante, estéril, longa,
cega desolação por qualquer coisa
que – não sei para onde – lentamente, me arrasta.


angél gonzález
antologia da poesia espanhola contemporânea
selecção e tradução de josé bento
assírio & alvim
1985



20 junho 2016

josé gomes ferreira / olho para o céu imenso



VII

Olho para o céu imenso
com desespero comovido..
Aquela nuvem sou eu que a penso
ou nada tem sentido


josé gomes ferreira
poesia II
areia 1938
portugália
1962



19 junho 2016

maria velho da costa / madrugatas



Encontramo-nos um dia ao rés-do-chão e fazemos menção dos elementos, quer chova, quer não. É a hora de gatas. Mas que é isto do horário, mas que é isto do pão, mas que é isto dos bicos de gás, mas que é isto da companhia, mas que é isto da pele sobre o osso (vendo-a esfriada, unha negra, pelo de arrepio), e fica-se com o fósforo suspenso ou bico fechado. Se dormíssemos com convicção era certo que vinham dizer-nos que sim. Mas eram tantos com a linguinha de fogo na cabeça a alumiá-los em pé – de se ficar ceguinho de encandeia, assim, a lume brando. De gatas, pois, no ar, fintar o sono, o sonho (nele detém a almotolia, o azeite que sobrenada a água chilra, a virgem prudente da mão decepada, morrão pendente do dente, que, mesmo inconsciente, sente). N.B. os jogos da mente são os primeiros signos da doença da palavra, i. e. de que a língua pátria já não alumia o utente.

As gatas são pois a alternativa dos voos picados. Agachar-se é sempre à contra-pássaro. Alguns gatos morrem de pé, mas isso é o másculo da história. Eu disse gatas. É preciso escapar por uma unha e raspar com ela no caixote próprio ou alheio até que faça peixe. Improvável. É pois de improviso o sobreaviso sobrevivo-olhai os pássaros da água e os peixes no chão ao vir da luz. Que isto é tudo uma permuta, uma apara de vidas, línguas de companhia, contos adiados. Deixai os meio-vivos encovar suas órbitas, escamar-se a esta hora, choro à borla e segue. A bem aventurança é a posta póstuma a esta hora. A poça onde as gatas sape-sapam de lambidas. Poça. Olha se não pingassem sangue ou choro, choco desta tinta, nacos de peixe vivo na calçada.

Capital 26-4-72


maria velho da costa
desescrita
afrontamento
1972



18 junho 2016

vittorio sereni / seis horas da manhã



Não há nada, já se sabe,
A que a morte
Não arranque o lacre.

De volta a casa, a porta
Estava mal fechada,
Para não dizer aberta.
Morrera há pouco tempo,
Desfeito em poucas horas. Mas
Vi o que os mortos, realmente,
Não podem ver:
A casa atravessada pela minha morte
Acabada de estrear,
Apenas um pouco espantada,
Quente ainda do calor
Que me deixara,
Quebrada a tranca,
Vão o ferrolho,
Vasto o ar que em meu redor
Me tornava tão ínfimo na morte.

 – Uma após outra, as avenidas
despertavam em Milão, alheias
a todo este vento.


vittorio sereni
tradução de ernesto sampaio
a rosa do mundo 2001 poemas para o futuro
assírio & alvim
2001



17 junho 2016

miguel torga / ao fogo



Chama da inspiração, que me devoras,
Alarga o teu abraço ao mundo inteiro!
Reduz o pesadelo destas horas
A um braseiro
De amor!
Funde no teu calor
A montanha de gelo e de tristeza
Que nos oprime o corpo e o coração.
E que a grande fogueira da beleza
Seja o sol duma nova redenção.


miguel torga
odes
1946



16 junho 2016

joão meirinhos / fronha


Perdi os fósforos, as
Cortinas corridas símbolo
De um silêncio óbvio
Arranhando o seco com um
Esgar, e quem sabe quem
Somos senão sombras
Num quarto de soluço às
Apalpadelas, durante a
Dura do duche decido que
Sou incapaz – nunca
Saberemos a que
Cheiras ao acordar, o
Incenso dos teus ais,
Talvez ambos à espera do
Outro separados por um
Gato – talvez só impróprio
E sujo com uma lábia
Razoável – nunca saberás como
Perco a respiração quando te
Vejo emaranhar o cabelo
Em espiral e falar de
Sapateado em Chicago e
Fellini e Puccini e todas as
Lendas que seria bom que se
Mantivessem vivas como jóias
Por detrás da cortina engolindo
Mais silêncio
A seco.


joão meirinhos
enkrateia
2016



15 junho 2016

florbela espanca / fanatismo


Minh'alma, de sonhar-te, anda perdida.
Meus olhos andam cegos de te ver!
Não és sequer razão do meu viver,
Pois que tu és já toda a minha vida!

Não vejo nada assim enlouquecida...
Passo no mundo, meu Amor, a ler
No misterioso livro do teu ser
A mesma história tantas vezes lida!

"Tudo no mundo é frágil, tudo passa...»
Quando me dizem isto, toda a graça
Duma boca divina fala em mim!

E, olhos postos em ti, digo de rastros:
"Ah! podem voar mundos, morrer astros,
Que tu és como Deus: Princípio e Fim!..."


florbela espanca
sonetos
livraria bertrand
1981




14 junho 2016

fernando pessoa / quando as crianças brincam



Quando as crianças brincam
E eu as oiço brincar, 
Qualquer coisa em minha alma
Começa a se alegrar.

E toda aquela infância
Que não tive me vem, 
Numa onda de alegria 
Que não foi de ninguém.

Se quem fui é enigma, 
E quem serei visão, 
Quem sou ao menos sinta 
Isto no coração.


fernando pessoa
poesias
ática
1980



13 junho 2016

josé de almada negreiros / a varina




Lá na Ribeira Nova
onde nasce Lisboa inteira
na manhã de cada dia
há uma varina
e se não fosse ela
ai não sei
não sei que seria de mim!
Por ela
fiz dois versos a todas as varinas:
E vós varinas que sabeis a sal
e trazeis o mar no vosso avental!
Acho parecidos estes versos
com as varinas de Portugal.

Uma vez falei-lhe
para ouvi-la
e vê-la
ao pé.
A voz saborosa
os olhos de variar
castanhos de variar
castanhos-escuros de variar
com reflexos de variar
desde a rosa
até ao verde
desde o verde
até ao mar.

Num reflexo reflecti:
não dar aquele destino
ao meu destino aqui.

     Escrito em  1926
     Inédito


josé de almada negreiros
poesia
estampa
1971


12 junho 2016

mário cesariny / rural



Como chove, Cacilda!
Como vem aí o inverno, Cacilda!
Como tu estás, Cacilda!
Da janela da choça o verde é um prato
Que deve ser lavado, Cacilda!
E o boi, Cacilda!
E o ancinho, Cacilda!
E o arroz, a batata, o agrião, Cacilda!
Já cozeste?

Eu logo passo outra vez,
Em prosa provavelmente.
Arrozinho, Cacilda!
Os melhores anos da nossa vida, Ilda!

-Ausente.


mário cesariny
nobilíssima visão
assírio & alvim
1991



11 junho 2016

antónio franco alexandre / eco



Ci est d’amer volonté pure

      Roman de la Rose



Agora vai ser assim: nunca mais te verei.
Este facto simples, que todos me dizem ser simples, trivial,
e humano, como um destino orgânico e sensato,
Fica em mim como um muro imóvel, um aspecto esquecido
e altivo de todas as coisas, de todas as palavras.
Sempre nos separaram as circunstâncias, e a essência
mesma dos dias, quando entre a relva e a copa das árvores
me esquecia de pensar, e o ar passava
por mim antes de erguer os caules verdes e alimentar
a vida sem imagens da paisagem. Marcávamos férias
em meses diferentes. O fim do ano, a páscoa, calhavam sempre
em outros dias. Tesouras surdas
rompiam o cordão dos telefones, e por engano
urgentes cartas atravessavam o planeta, apareciam
anos depois no arquivo municipal. E mais: a minha idade,
a tua, não poderiam nunca encontrar-se no mundo.
As melhores famílias guinchavam de prazer
ao ver como ninguém nos recebia, nos salões doirados
com presidentes e poetas, oradores sombrios,
chefes de câmara, e minúsculas sandes de conversa;
um inocente Portugal, lá fora,
rilhava os dentes prontos, e aguçava a serra.
Esqueçamos isto. Escrevias com as duas mãos
presas no papel, como pássaros, e só o meu olhar
era gaiola, «a gaiola discreta» a fazer de janela
para um crime violento, éramos nós. Também o vídeo emperrava
a meio do filme, bem antes da solução. No canal do lado
pais e mães gritavam, davam socos no ar ou nos filhos
de pequena dimensão, ou em falsas paredes de cartão,
não se esqueciam nunca de rimar. Eram felizes. Com estas ofertas
iriam a maravilhosas praias sublunares, onde rapazes
e raparigas mostram a pele quase todos os dias,
e têm bocas brancas como já se não ê no ocidente;
depois, na véspera do regresso (que se anuncia melancólica)
anjos e bispos descem do céu, trajando
magníficas guirlandas. Meteoros do tamanho de nuvens
rompem as nuvens, produzindo efeitos em tudo
idênticos aos da aurora borealis, mas em completa segurança.
Entravas pela garagem, sem ninguém te ver. Subias
as escadas todas, para não arder
no elevador. Estava a porta entreaberta,
não bati sequer. Sempre me espanta encontrar-te tão
assim de visita, na tua própria casa, sem ti.
Era difícil tocar-te, mexer-te. Na parede branca
oscilam os ramos, as sombras de ramos da alameda.
Era mais fácil beijar-te, por falta de palavras. Tão profundo
é o silêncio, que se ouvem todos os rumores,
o ladrar de um cão, o silvo de uma fisga,
a pancada dos ramos no entardecer, lembrando
um sino submarino. Pensava que amar-te (querer-te livre)
começava na ponta dos dedos e ia até às ideias mais abstractas,
que o teu corpo era a melhor expressão possível de ti, e ainda
muda, como um hieróglifo enterrado
na areia do teu deserto favorito (algures na anatólia),
pensava que serias um dia aquela singular memória
que nos separa, um breve instante, de tudo quanto vemos,
e muitas outras noites, acordado junto ao teu corpo ausente,
seriam como esta: vidros abertos sobre um ror de estrelas,
nuvens ligeiras navegando em direcção ao mar,
o jovem coração, liso detrás das grades, dos ossos.
(«Expressão» é tão inexacto! Na verdade existes
no teu corpo, com todo o passado embrulhado
na pele sensível, no calor animal do gemido que
às vezes sopra dos teus sonhos, e até o futuro
misteriosamente cabe no exíguo volume
entre as mãos.) Podias desfazer-me
com um encolher de ombros, faltar todos os dias
a encontros mal marcados no café da esquina,
rasgar folhas de livros com imagens a cores,
partir de noite, em barcos clandestinos, sem deixar recado.
Dias depois, o correio trazia
imagens de hamburgo ou de amsterdão, marcas
postais de Américas asiáticas, golfos lacunares,
frases censuradas por arcaicos déspotas
de damasco e bagdade. Podias servir-me
à sobremesa, com as facas rombas
da cantina escolar. Podias trazer-me
por horas sem conta dentro da mochila,
a cair de bruços sobre o cadeado.
Podias amar-me, perder-me, ser visto
nas ruas de tarde com outras mulheres. Não podias ser
mais duro que agora, mais frágil que a boca
cinzenta do céu unânime e opaco,
mais simples do que o simples «nunca mais».
Cheguei hoje mesmo de distantes rotas,
de passar desertos e vastos desterros,
subi as escadas sem ninguém me ver.
Ouço não sei onde os passos que deixam
um lume de aurora disperso no ar,
vou já ter contigo meu amor de outrora,
noutro surdo verso hás-de vir ainda
outra vida começar. Trocávamos rimas,
quadras e tercetos, lamentos e odes,
canções triviais. E aquele dia! em medellín, suponho,
num festival de líricas cabeças, até nobelizáveis,
desapareceste por dois dias. No palco engalanado
vomitei poemas, enquanto por dentro
me vomitava. Afinal passeavas de táxi, como um vulgar
sicário de vallejo, disparavas
dois ou três numa tarde, com as famosas setas
que te deu tua mãe. Já me não serve de nada a poesia,
a literária «arte de chiar». E quanto a pensamento: esse schelling
já me moeu o siso. Desisti de entender
a «identidade». Pense quem lê. Todos os teus
passaportes eram falsos, por mero paradoxo;
o rio, de que tanto falavas, nem sequer existia;
nunca te parecias, nem nunca aparecias
com o perfil, tão certo, do retrato. O que querias:
viajar de helicóptero, mudar de trocadilho,
olhar para os doutores como quem
inteligentemente não percebe,
planear operações anfíbias ao largo de tripoli,
dançar com a cantora josefina. Ter planos de vida
 para depois da guerra que não acaba, quando vier
a paz que não vem. Talvez em almada, pelos guindastes;
ou em almofagema, pelo nome: berlim, pelo frio
silêncio, no meio do trânsito; este planeta, 
certamente, pela atmosfera oxigenada. Por £1.000
visitará treblinka, regresso a varsóvia pela tarde,
passeio no parque lazienki ao som de chopin. Depois
hotel, jantar. Consulte www tourtours programa completo.
Invulgar idade a minha, quase centenário
entre edifícios bem mais jovens, avenidas abertas
quando já tinha tido juízo e perdido juízo,
carregado de lembranças do século passado, a passar
moeda falsa à porta dos liceus. Agarrado ao papel,
crente na chamada, aquele dia em que chegámos tarde
e com as mãos trocadas. Por punição levaram-nos
ao calabouço subterrâneo, onde cantava
o grande pavarotti. Porque eras infantil
(uma criança infantil) equivocaste «tosca» e «toscos»
e até a pouca graça na tua voz ficava um mistério
fundo e generoso onde se reflectia
o inesperado sabor da pele nua. Isso porém
não é amor, ditou o psi de urgência; é só
desejo, aroma adolescente; nem é conforme
à lei divina natural, murmurou outro padre moral
com certa comicidade. E no entanto a natureza
crescia folhas verdes no meio de cabelos e lábios
e palavras secretas na turva espuma das ondas;
nas pedras musgosas brilhavam o sílex e  xisto,
moviam-se lentas as placas geológicas, formando
continentes; pássaros, vertiginosamente
movendo as asas, imitavam o efeito
de aurora borealis. Por «isso», dizias (mas era mais
telepatia) vale a pena morrer, viver. Todos estes
fatos com carne dentro estão dentro
da morte sem vida, da vida sem morte, e cheiram
ao mofo sublime dos «imortais». Do camarote
real o rei acenava, com uma princesa
de sérios dentes a sorrir. Estas férias grandes
quando o céu for largo e o sol queimar
iremos plo rio fora até ao mundo, até à foz do mar!
não fomos; crescemos, tivemos frases e poemas,
e surdas dores quando era nossa a deixa,
e a voz mudando nos deixava mudos.
Em Fürstengraben 16 colecionavas mapas da europa
Ferroviária, cobriam paredes e mesas, linhas negras crescendo
Atravessando o século, umas grossas como cordões outras
Delicados filamentos. Assim os romanos, suas estradas,
Suas pontes, seus esgotos. Esta rotina alemã
convêm-me, agora que estou velho e vejo mal.
Os jovens não sabem que são eles
a fonte da juventude, que tornam jovem o que tocam. Que banal
esse ponce de léon! confesso, quando levanto
os olhos destes mapas, já quase tudo me é igual.
Bem visto, cada mapa corresponde
a uma parte do corpo humano; não há poema tão certeiro assim.
E depois há que ver nos arquivos, tabelas, horários, e directivas
especiais; e folhas, cadernos e pequenas fotos
com olhos quietos a espreitar. Às vezes converso com um vizinho
que nunca viu um comboio, ou fico a ouvir o rapazinho
louro que leu novalis e hölderlin; é bonito e não desiste
de um ar antigo a modelo de list.
Mas a câmara é um túnel, um olho imóvel a caminho
da distante saída que não há; podemos ser sombra ou pó, ficamos
sempre do lado de cá. Em manhãs de espessa névoa
só se avista o topo das colinas, além rio;
e os barcos iluminados parecem
vogar sem rumo, com a solene absorção de pássaros.
Desde esse dia desde esse primeiro e completo dia
se tornou impossível viver, morrer. A uma esquina qualquer
inevitavelmente te havia de encontrar, para cair
de novo, para ter filhos distraídos, para dizer
frases no ar sensíveis, mentirosas,
e te falar de schelling para esquecer a verdadeira
«revelação» que acontecia cada vez que te via
sempre, como é ridículo, em camuflado de arbustos,
no jeito de uma frase ouvida, ou de uma boca desatenta,
na asa de um ombro, na face mais obscura de uma voz.
Não tinhas, reparei, «identidade». Faltara-te, ou perderas,
identikit, umbigo de fabrico, carte de séjour; só ficaram
as marcas distintivas de um humano rosto, e depois
também elas se apagaram ou multiplicaram
nos humanos gestos amados e na cegueira
do humano desejo desejado, da palavra «tu».
Como posso agora começar a falar-te? Ninguém
melhor conhece o amor e o desprezo do amor,
a indiferença a passar por ti como um caminho florestal
nas colinas redondas da renânia,
tão inocentes debaixo da redoma romântica,
imóveis para sempre ou para nunca mais.
A trivial verdade é que temos apetites e interesses,
mas «o amor não é um sentimento» e raramente
o aceitamos. Não promete nada de bom. Vem
quando menos se espera, de onde menos se quer.
Pudesse eu agora ingenuamente dizer «amo-te» e
ser ouvido pelo ouvido humano da tua boca
não como quem pede mas como quem traz
um desconhecido até à mesa posta
para connosco celebrar a saída de egipto
voltaria a juventude de outrora até ao lume claro
do teu rosto; mas, desse lado da vida, vês
somente a pele antiga que se dobra em rugas
e vai pelas ruas interrogando os passantes
como um provérbio em línguas estrangeiras…
Em Fürstengraben 16 escrevias o ensaio
«ética da fantasia», com os comboios parados
em estações desertas, ou a meio da planície cinzenta
sob o céu do inverno. Ouvias continuamente
os pequenos sinais do tamagochi,
todo o silêncio do mundo cabia
na palma da mão, como o inócuo pesadelo
da fantasia final. Entendias de terra e de árvores
e de gente; rias, citando hamann: «a minha rude
imaginação não imagina pensadores em genitália»,
e nesta minha condição já só o medo esconde
a dor miúda, o parco sofrimento;
não mais serás amado, daquele amor inteiro
com que se escolhe, numa montra, um bicho
doméstico que nos acompanhe em lentas horas;
julgam estes que os desejo «sexualmente»… e é
«sexualmente» que lhes sinto o cheiro, o sopro
do pensamento que se constrói no corpo alheio,
os dias do futuro em que serei, talvez, imagem
falsa nas suas bocas; já nenhum sonho
outro que o do amor me tem desperto.
Incapaz de palavras, a porta entreaberta
para o jardim dos gestos proibidos,
ouvindo o som tranquilo dos teus passos; o ar,
tão fresco, estremecia; tudo era manhã
dentro da noite. Tudo será manhã
por ti, jovem amor, de nunca mais, de sempre.
Sou tão antigo, hoje; e são cegos os lábios
usados no costume, e na verdade
que me serve de máscara.
Vai ser assim: ver-te continuamente,
como se vê no céu o aeroplano
idêntico a si mesmo em cada imagem,
leve nuvem vogando para o mar; e como o arco
que está na gota mínima do orvalho
e na distância, o mesmo em cada olhar;
e no prazer dos corpos, quando alcançam
além de vida e morte o breve lume humano.
  


antónio franco alexandre
uma fábula
assírio & alvim
2001