31 janeiro 2016

dylan thomas / não entres docilmente nessa noite serena



Não entres docilmente nessa noite serena,
porque a velhice deveria arder e delirar no termo do dia;
odeia, odeia a luz que começa a morrer.

No fim, ainda que os sábios aceitem as trevas,
porque se esgotou o raio nas suas palavras, eles
não entram docilmente nessa noite serena.

Homens bons que clamaram, ao passar a última onda, como podia
o brilho das suas frágeis acções ter dançado na baía verde,
odiai, odiai a luz que começa a morrer.

E os loucos que colheram e cantaram o voo do sol
e aprenderam, muito tarde, como o feriram no seu caminho,
não entram docilmente nessa noite serena.

Junto da morte, homens graves que vedes com um olhar que cega
quanto os olhos cegos fulgiriam como meteoros e seriam alegres,
odiai, odiai a luz que começa a morrer.

E de longe, meu pai, peço-te que nessa altura sombria
venhas beijar ou amaldiçoar-me com as tuas cruéis lágrimas.
Não entres docilmente nessa noite serena.
Odeia, odeia a luz que começa a morrer.



dylan thomas
tradução de fernando guimarães




30 janeiro 2016

pablo garcia casado / amor



uma mulher sempre metida na cozinha
sempre com problemas sempre com a regra
o lixo não te esqueças de ir passear o cão

uma doença que se cura com os anos
um rádio que começa a perder as emissoras
um comboio que faz sempre o mesmo percurso

entre duas cidades cada vez mais afastadas


pablo garcia casado
poesia espanhola anos 90
trad. joaquim manuel magalhães
relógio d´água
2000




29 janeiro 2016

arsenii tarkovskii / quando sob os pinheiros



Quando sob os pinheiros, e quando escrava,
minha alma vestia um corpo torturado,
ainda a terra voava célere para mim
e as aves se desvairavam ao som rouco dos cavalos.

Agulhas negras, escamas de pinheiro,
                                                                    as cascas,
e rubro sob os pés jorra
                                           o mirtilo,
e meus furiosos dedos rasgam pálpebras,
meu corpo quer viver. Será que este
                                                                  sou eu?

Serei eu de carbonizada boca procurando
os joelhos das raízes secas, e que a terra
engole como outrora o sangue, e as irmãs
de Faetonte se transfiguram, choram âmbar?



arsenii tarkovskii
a rosa do mundo 2001 poemas para o futuro
trad. nina guerra e filipe guerra
assírio & alvim
2001




28 janeiro 2016

irene lisboa / pequenos poemas mentais



           Mental: nada, ou quase nada sentimental.

I

Quem não sai de sua casa,
não atravessa montes nem vales,
não vê eiras
nem mulheres de infusa,
nem homens de mangual em riste, suados,
quem vive como a aranha no seu redondel
cria mil olhos para nada.
Mil olhos!
Implacáveis.
E hoje diz: odeio.
Ontem diria: amo.
Mas odeia, odeia com indômitos ódios.
E se se aplaca, como acha o tempo pobre!
E a liberdade inútil,
inútil e vã,
riqueza de miseráveis.

II

Como sempre, há-de-chegar, desde os tempos!
Vozes, cumprimentos, ofegantes entradas.
Mas que vos reunirá, pensamentos?
Chegais a existir, pensamentos?
É provável, mas desconfiados e inválidos,
Rosnando estúpidos, com cães.

Ó inúteis, aquietai-vos!
Voltai como os cães das quintas
ao ponto da partida, decepcionados.
E enrolai-vos tristonhos, rabugentos, desinteressados.

III

Esse gesto...
Esse desânimo e essa vaidade...
A vaidade ferida comove-me,
comove-me o ser ferido!

A vaidade não é generosa, é egoísta,
Mas chega a ser bela, e curiosa!
E então assim acabrunhada...
Com franqueza, enternece-me.

Subtil
A minha mão que, julgo, ridicularizas,
de que desconheces a suavidade,
cerra-te pacificamente os olhos
e aquieta benignamente o ar.
Paira sobre a tua cabeça, móbil, branda,
na prática de um velho rito,
feminil, piedoso, desconhecido e inconfesso.

IV

Ó luxúria brutal, perversa e felina,
dos outros, alheia,
sem pensamentos nem repouso!
retira-me da frente o venenoso cálice,
a tua peçonha adocicada.
Que a morte, o nirvana, a indiferença
dos longuíssimos anos sem sobressaltos, me retome.

Abro os braços e meço: cá, lá... cá, lá...
solidão, infinita solidão!
E neste movimento, neste balouço, adormeço,
Cá, lá... morte, vida... morte, vida...
Todas as ausências, todas as negações.

V

Os poetas cumprimentam-se, delicados.
Cada um como seu metro, o seu espírito, a sua forma;
as suas credenciais...
Mas são simpáticos os poetas!
Sensíveis, femininos, curiosos.
Envolve-os um mistério.
Não! Esta é a linguagem de toda gente: o mistério...
Que mistério?
Os poetas são apenas reservados, são apenas...
perturbados e capciosos.

VI

Cai um pássaro do ar, devagar, muito devagar.
E as árvores soturnas não se mexem.
Estio!
Não se vêem bulir as árvores, em bloco, ou aos arcos,, estampadas...
Elegante Lapa! Sol fosco, paisagem de manhã.
A gente do sítio, pobreza e riqueza, ainda recolhida.
Aqui, uma janela discreta que se abre, preta, cega.
Ali outra fechada.
E esta alternância, bastante irregular, vai-se repetindo, repete-se...

E eu, ai eu! Prisioneira, sempre prisioneira; tão enfadada!


irene lisboa
um dia e outro dia…
1936




27 janeiro 2016

manuel antónio pina / partida




De súbito extinguiu-se qualquer coisa,
soltou-se qualquer peça de uma máquina incompreensível
de que dependia, afinal, a minha vida;
tornou-se tudo demasiadamente literal,
até eu estar ali, sem compreender;
e até eu não compreender parecia
algo inteiramente incompreensível;
o mundo, que via pela primeira vez,
via-o através de uns olhos que não me pertenciam,
que não pertenciam, porque eu próprio era
um acontecimento incompreensível acontecendo,
algo que me acontecia não sabia a quem;
o comboio afastava-se levando-te
para fora de mim como alguém sonhando,
e eu e tudo o que de mim sabia desaparecera
e ficara um sítio vazio
onde as últimas horas da tarde
como aves extenuadas pousavam.


manuel antónio pina
atropelamentoe fuga (2001)
todas as palavras
poesia reunida
assírio & alvim
2012



26 janeiro 2016

jorge de sena / em creta, com o minotauro


I

Nascido em Portugal, de pais portugueses,
e pai de brasileiros no Brasil,
serei talvez norte-americano quando lá estiver.
Coleccionarei nacionalidades como camisas se despem,
se usam e se deitam fora, com todo o respeito
necessário à roupa que se veste e que prestou serviço.
Eu sou eu mesmo a minha pátria. A pátria
de que escrevo é a língua em que por acaso de gerações
nasci. E a do que faço e de que vivo é esta
raiva que tenho de pouca humanidade neste mundo
quando não acredito em outro, e só outro quereria que
este mesmo fosse. Mas, se um dia me esquecer de tudo,
espero envelhecer
tomando café em Creta
com o Minotauro,
sob o olhar de deuses sem vergonha.


II

O Minotauro compreender-me-á.
Tem cornos, como os sábios e os inimigos da vida.
É metade boi e metade homem, como todos os homens.
Violava e devorava virgens, como todas as bestas.
Filho de Pasifaë, foi irmão de um verso de Racine,
que Valéry, o cretino, achava um dos mais belos da "langue".
Irmão também de Ariadne, embrulharam-no num novelo de que se lixou.]
Teseu, o herói, e, como todos os gregos heróicos, um filho da puta,
riu-lhe no focinho respeitável.
O Minotauro compreender-me-á, tomará café comigo, enquanto
o sol serenamente desce sobre o mar, e as sombras,
cheias de ninfas e de efebos desempregados,
se cerrarão dulcíssimas nas chávenas,
como o açúcar que mexeremos com o dedo sujo
de investigar as origens da vida.


III

É aí que eu quero reencontrar-me de ter deixado
a vida pelo mundo em pedaços repartida, como dizia
aquele pobre diabo que o Minotauro não leu, porque,
como toda a gente, não sabe português.
Também eu não sei grego, segundo as mais seguras informações.
Conversaremos em volapuque, já
que nenhum de nós o sabe. O Minotauro
não falava grego, não era grego, viveu antes da Grécia,
de toda esta merda douta que nos cobre há séculos,
cagada pelos nossos escravos, ou por nós quando somos
os escravos de outros. Ao café,
diremos um ao outro as nossas mágoas.


IV

Com pátrias nos compram e nos vendem, à falta
de pátrias que se vendam suficientemente caras para haver vergonha]
de não pertencer a elas. Nem eu, nem o Minotauro,
teremos nenhuma pátria. Apenas o café,
aromático e bem forte, não da Arábia ou do Brasil,
da Fedecam, ou de Angola, ou parte alguma. Mas café
contudo e que eu, com filial ternura,
verei escorrer-lhe do queixo de boi
até aos joelhos de homem que não sabe
de quem herdou, se do pai, se da mãe,
os cornos retorcidos que lhe ornam a
nobre fronte anterior a Atenas, e, quem sabe,
à Palestina, e outros lugares turísticos,
imensamente patrióticos.


V

Em Creta, com o Minotauro,
sem versos e sem vida,
sem pátrias e sem espírito,
sem nada, nem ninguém,
que não o dedo sujo,
hei-de tomar em paz o meu café.



jorge de sena
peregrinatio ad loc infecta
1969




25 janeiro 2016

carlos de oliveira / leitura



Quando por fim as árvores
se tornam luminosas; e ardem
por dentro pressentindo;
folha a folha; as chamas
ávidas de frio:
nimbos e cúmulos coroam
a tarde, o horizonte,
com a sua auréola incandescente
de gás sobre os rebanhos.

Assim se movem
as nuvens comovidas
no anoitecer
dos grandes textos clássicos.

Perdem mais densidade;
ascendem na pálida aleluia
de que fulgor ainda?
e são agora
cumes de colinas rarefeitas
policopiando à pressa
a demora das outras
feitas de peso e sombra


carlos de oliveira
pastoral
1976





24 janeiro 2016

artur do cruzeiro seixas / as mãos escrevem nas pálpebras



As mãos escrevem nas pálpebras
a palavra astro
neste fim de tarde solitário.
A morte é a mais lúbrica das criaturas
e vem e vai
e pendura nas paredes
mil e uma fórmulas secretas
em que são iguais as quantidades de realidade
e do que a ela se opõe.
O Vento está visivelmente cansado
arranhou-se num espinheiro
e corre-lhe pelo peito quente
um fio de sangue.
Qualquer coisa como música
advém do seu silêncio
e o olhar é uma ponte nitidíssima
entre duas realidades que não há.



artur do cruzeiro seixas
a única real tradição viva
antologia da poesia surrealista portuguesa
perfecto e. cuadrado
assírio & alvim
1998




23 janeiro 2016

ruy cinatti / primeiro septeto


I
O passo alinhavado do cego,
abatido pela ponta da bengala,
é vermelho e branco quando ele passa
determinado, tatibitate o passo,
alinhada parede. Mão
atenta,
livre,
atravessa-lhe a rua. A confiança
só no coração se alcança:
é toda esperança.
Não a do cego. Ele sente a mão,
antes parede. Depois
o sobretacto ponta de bengala
no chão. Certeza
é um terror que se cala
branco ou vermelho ou a esmola
recebida, recusada. No jardim
recolhe sol com as mãos.
Leva-o aos olhos. Recolhe a casa
Para viver a manhã.


ruy cinatti
sete septetos
1967




22 janeiro 2016

daniel faria / escrevo do lado mais invisível das imagens


Escrevo do lado mais invisível das imagens
Na parede de dentro da escrita e penso
Erguer à altura da visão o candeeiro
Branco da palavra com as mãos

Como a paveia atrás do segador
Vejo os pés descalços dos que correm
E escrevo para os que morrem sem nunca terem provado o pão
Grito-lhes: imaginai o que nunca tivestes nas mãos

Correi. Como o segador seguindo o segador
Numa ceifa terrestre, tombando. Digo:
Imaginai


daniel faria
dos líquidos
2000




21 janeiro 2016

josé régio / libertação



Menino doido, olhei em roda, e vi-me
Fechado e só na grande sala escura.
(Abrir a porta, além de ser um crime,
Era impossível para a minha altura…)

Como passar o tempo?... E diverti-me
Desta maneira trágica e segura:
Pegando em mim, rasguei-me, abri, parti-me,
Desfiz trapos, arames, serradura…

Ah, meu menino histérico e precoce!
Tu, sim!, que tens mãos trágicas de posse,
E tens a inquietação da Descoberta!

O menino, por fim, tombou cansado;
O seu boneco aí jaz esfarelado…
E eu acho, nem sei com, a porta aberta!


josé régio
poemas de deus e do diabo
1925



20 janeiro 2016

david mourão-ferreira / sextina I ou canção dos quarenta anos



O mordomo do vento é este cedro
O correio do Sol aquele pombo
Nunca mais Nunca mais vem a notícia
Sou mais novo que o escândalo em que vivo
Mas vou perdendo aos poucos a memória
De secretas paisagens me despeço

Só a esperança não Que a não despeço
E dou-lhe todo o ouro deste cedro
E dou-lhe os dividendos da memória
mais o fogo nas vísceras do pombo
mais os restos de um sonho que tão vivo
como prémio só pede uma notícia

Quantas notícias antes da notícia
De quantas dia a dia me despeço
até que o fim do escândalo em que vivo
me seja anunciado pelo cedro
Indaga Não descrevas É um pombo
que se afoga no sangue da memória

Também aquele amor hoje memória
morreu na combustão de uma notícia
Mas nasce de tais cinzas outro pombo
Não olho para trás Nem me despeço
Tudo o que se imagina aquém do cedro
converte-se em pilar de um amor vivo

Se é loucura viver o que não vivo
Se é loucura no crivo da memória
deixar que passe o pombo e fique o cedro
a ver se não censuram a notícia
direi mais uma vez Não me despeço
Há-de vir a notícia Mais o pombo

Com asas novas há-de vir o pombo
Outro pombo dizer-me que estou vivo
louvar-me porque nunca me despeço
pedir-me que o recolha na memória
E no vento divulga-se a notícia
Quem primeiro a transmite é este cedro

Canção voa nas asas desse pombo
Torna com ele ao Sol E morto ou vivo
diz-lhe que nem agora me despeço


david mourão-ferreira
obra poética, vol. II
bertrand
1980







19 janeiro 2016

rui knopfli / o preto no branco



De granada deflagrada no meio
de nós, do fosso aberto, da vala
intransponível, não nos cabe
a culpa, embora a tua mão,
lhe tenha retirado a espoleta.
De um lado o teu dedo indicador,
de outro a minha assumida neutralidade.
Entre os dois, ocupando o espaço
que vai do teu dedo acusador
à minha mudez feita de medo e simpatia,
tudo quanto não quisemos, nem urdimos,
tudo quanto a medonha zombaria
de ódios estranhos escreve a sangue
e, irredutivelmente, nos separa e distancia.
Tudo quanto há-de gravar o meu nome
numa das balas da tua cartucheira.
Nessa bala hipotética, nessa bala possível
que se vier, quando vier (ela há-de vir)

melhor dirá o que aqui fica por dizer.


rui knopfil
mangas verde com sal
1969



18 janeiro 2016

györgy somlyó / gato



O pêlo impenetrável
permite a rejeição
de qualquer consideração antropomórfica
ele é inteiramente gatomorfo
não te procures
no gato                                       
encontra em ti mesmo
o gato


györgy somlyó
poemas
tradução de egito gonçalves 



17 janeiro 2016

pitágoras / saberás ainda que os homens



Saberás ainda que os homens
livremente e por si próprios
escolhem os seus males.

Miseráveis que são, não sabem
nem ver nem entender os bens
à sua beira.
Poucos os que aprenderam a
libertar-se de seus males.


pitágoras
século VI a.c.
versos de ouro atribuídos a pitágoras
tradução de fiama hasse pais brandão
poemário, 16.02.2001
assírio & alvim



16 janeiro 2016

antónio josé forte / poema



Alguma coisa onde tu parada
fosses depois das lágrimas uma ilha
e eu chegasse para dizer-te adeus
de repente na curva de uma estrela

alguma coisa onde a tua mão
escrevesse cartas para chover
e eu partisse a fumar
e o fumo fosse para se ler

alguma coisa onde tu ao norte
beijasses nos olhos os navios
e eu rasgasse o teu retrato
para vê-lo passar na direcção dos rios

alguma coisa onde tu corresses
numa rua com portas para o mar
e eu morresse
para ouvir-te sonhar


antónio josé forte
40 noites de insónia de fogo de dentes numa girândola
implacável e outros poemas
lisboa
1958



15 janeiro 2016

vasco gato / depois do frio, ainda


três.

ela traz na mão direita as ondas que o mar não quis:
enterra-as nos meus poemas, diz-me que assim
eu posso lembrar a mão que ficou na areia, pequena.

o deserto procura-nos. há um caminho que é só morte.

ela fica junto de mim, mil lágrimas e os meus olhos
começarão a ver, ela diz-me que vai ser assim.



vasco gato
um mover de mão
assírio & alvim
2000




14 janeiro 2016

leopoldo maría panero / mutação de bataille


VIII
PALIMPSESTOS
MUTAÇÃO DE BATAILLE

(De L’Archangélique)


Eu sonhei em tocar a tristeza viscosa do mundo
na desencantada orla de um lamaçal absurdo
eu sonhei uma água turva onde reencontraria
o caminho perdido do teu ânus profundo;
eu senti nas minhas mãos um animal imundo
que na noite fugira de uma espantosa selva
selvagem como o vento, como o negro buraco
do teu corpo que me faz sonhar
eu sonhei nas minhas mãos um animal imundo
e soube que era o mal de que tu morrerás
e invoco-o rindo-me da dor do mundo.
Uma luz demente, uma luz que magoa
só em mim encontra o cadáver do teu riso
do teu riso que preserva a tua longa nudez
e o vento descobre a nossa morte, semelhante
a esse buraco imundo que eu quero beijar: um imenso
resplendor
me iluminará então
e eu vi a tua dor como uma caridade
irradiando na noite a tua forma ampla e imensa
o grito do túmulo que é a tua infinitude
e eu vi a tua dor
como uma caridade, como se alguém deixasse suavemente
um olho na mão branca que um mendigo lhe estende.



      Narciso no Último Acorde das Flautas, 1979



leopoldo maría panero
antologia poética (1979/1994)
selecção, tradução e notas de jorge melícias
lume editor
2014